sexta-feira, 28 de novembro de 2008

O fenômeno da indústria do jeans em Toritama

O pólo de confecções do agreste de Pernambuco desperta ao mesmo tempo surpresa e estranheza para o resto do país. Não entende como é possível que cidades do interior do nordeste consigam tanto crescimento econômico em meio a tanta adversidade.

Há algum tempo, a bola da vez é a cidade de Toritama. Lá, a indústria do jeans tem produzido mais e mais novos ricos a cada dia que passa. Porém, o progresso econômico não se converte em desenvolvimento, em qualidade de vida para os moradores da cidade. Não parece haver um retorno social, uma contrapartida dos empresários para a melhoria do município. Segue o mau caminho já percorrido por Santa Cruz do Capibaribe: os empresários usam a cidade para ganhar dinheiro, mas o investem em outros lugares: apartamentos luxuosos em capitais, casas de campo em Gravatá, casas de veraneio no litoral, roupas de grife nos shopping centers, etc. São filhos ingratos.

Além da falta de responsabilidade social, há também total descaso com as questões ambientais. Assim como ocorre em Santa Cruz do Capibaribe, Toritama também “assassinou” o Rio Capibaribe, convertendo-o em depósito de dejetos e de produtos químicos das lavanderias e tinturarias de jeans.

A geração de riquezas para alguns e de renda para a população em geral é condição essencial para todo município. Santa Cruz e Toritama conseguem fazer isso, e muito bem, por sinal. No entanto, está na hora de pensarem mais na qualidade de vida, inclusive na dos novos ricos. Uma cidade que pensa no social, que cuida de seus jovens para que não entrem no mundo da droga, do alcoolismo e do crime, diminui os índices de violência e melhora a vida de todos. Tal responsabilidade não é só do poder público, mas de toda a sociedade.

Um comentário:

Fábio disse...

A lavanderia LAVTEC de Santa Cruz do Capibaribe possue estação de tratamento de água.